Afinal, a quem se deve mais responsabilidade em relação à vida escolar das crianças e jovens: escola, aluno ou família? Para os brasileiros, é a família a parte mais responsável por esse desenvolvimento escolar. É o que revela a pesquisa Atitudes pela Educação, realizada com responsáveis por crianças e jovens de todas as etapas educacionais públicas e privadas de todas as regiões do país, lançada em novembro de 2014.

Ainda que os pais reconheçam essa responsabilidade, eles se diferenciam em suas atitudes de participação na Educação dos filhos: há aqueles que se preocupam mais em manter um vínculo e ambiente familiar adequado, enquanto outros valorizam a Educação participando ativamente das atividades escolares dos pequenos.

“A valorização é composta por atitudes e práticas mais relacionadas ao cotidiano da vida escolar, como checar a lição de casa, levar à escola e ir buscar, ir às reuniões de pais e conversar com os professores, e que demonstram a importância que o adulto dá à Educação, como colocá-la como prioridade, conversar com a criança ou o jovem sobre o que quer estudar e em que quer trabalhar no futuro. Já o vínculo considera comportamentos e ações ligados ao relacionamento afetivo desses pais e responsáveis com a criança ou o jovem, como dialogar sobre as preferências e opiniões deles e passar momentos juntos dentro e fora de casa”, explica Alejandra Meraz Velasco, coordenadora geral do movimento Todos Pela Educação.

Da análise dessas duas dimensões do comportamento, os entrevistados foram agrupados em cinco perfis:

12% Comprometidos
São aqueles que apresentam maior concentração de respostas que demonstram tanto atitudes relacionadas ao Vínculo quanto à Valorização. São os responsáveis que mais participam das reuniões e dos eventos escolares.

Exemplos de atitudes:
100% gostam dos momentos que passam em família.
99% acreditam que há uma relação de respeito entre todos da família.
86% se informam sobre a proposta de ensino da escola.
98% olham as faltas.

25% Envolvidos
Demonstram mais atitudes relativas à valorização do que ao vínculo.

Exemplos de atitudes:
79% checam se a criança estudou para as provas.
87% acreditam que se a criança estudar terá uma vida melhor que a dele.
35% procuram levar a criança para programas culturais ou prática de esportes nos dias de folga.

27% Vinculados
Demonstram mais atitudes relativas ao vínculo do que à valorização. Depois dos Comprometidos, é o grupo com maior escolaridade.

Exemplos de atitudes:
95% afirmam estar presentes nos momentos mais importantes da vida da criança.
95% procuram conversar com a criança se notam algum comportamento diferente.
20% conversam com outros pais sobre a qualidade da escola.
44% acompanham o calendário de provas.

17% Intermediários
Apresentam uma média de respostas tanto voltadas à valorização quanto ao vínculo.

Exemplos de atitudes:
69% incentivam a criança a praticar esportes e/ou atividades culturais.
70% conferem se a criança fez a lição de casa.
67% afirmam que a criança conta coisas ruins que acontecem na escola.19% Distantes

Aqueles que, em suas respostas, demonstraram menos atitudes tanto de vínculo como valorização. Destaca-se o maior percentual de homens neste perfil e o maior peso atribuído ao próprio aluno em relação à sua vida escolar, quando comparado com os outros perfis.

Exemplos de atitudes:
37% ajudam a organizar o material que a criança precisa levar para a escola.
20% conversam com a criança sobre seus talentos, no estudo e em outras atividades.
59% acreditam que há uma relação de respeito entre todos na família.

Ainda que mais de 50% dos entrevistados se caracterizem como responsáveis atuantes e ligados à vida escolar dos alunos, há mais adultos distantes (19%) do que comprometidos (12%). “Vê-se, portanto, que não se trata somente de carinho, mas também de participação na vida escolar”, diz Ana Lúcia Lima, diretora executiva do Instituto Paulo Montenegro. “Só os pais que são realmente comprometidos percebem que a Educação não é um ato sozinho”.

Primeira Infância
Com relação às crianças de 4 a 5 anos, há mais pais envolvidos do que a média da pesquisa – 29% dos responsáveis tomam atitudes mais voltadas à valorização da Educação do que relacionados ao vínculo:

Perfis de responsáveis por crianças de 4 a 5 anos
10% Comprometidos
29% Envolvidos
18% Intermediário
27% Vinculados
16% Distantes

Outra diferença é a presença maior da figura dos avós como responsáveis pela Educação da criança (15%) – a média geral é de 11%.
Para Ana Lúcia Lima, diretora executiva do Instituto Paulo Montenegro, “não há uma tradição de acompanhamento familiar da vida escolar. É preciso ter a compreensão da relevância da Educação Infantil como plataforma de base para a construção da relação positiva de pais e responsáveis com a Educação. É um fator chave para esta urgente transformação na Educação brasileira”.

O estudo foi fruto de uma parceria do movimento Todos Pela Educação, Fundação Itaú Social, Fundação Maria Cecília Souto Vidigal, Fundação Roberto Marinho, Instituto C&A e Instituto Unibanco. Realizado pelo Instituto Paulo Montenegro e o IBOPE Inteligência, somou 2002 entrevistas ocorridas entre 28 de junho e 8 de julho de 2014.

Explore mais alguns dados da pesquisa abaixo:

Amostra da Pesquisa
– Pais ou responsáveis por crianças e jovens de 4 a 17 anos (Educação Infantil, Ensino Fundamental I, Ensino Fundamental II e Ensino Médio).
– Universo de referência: 26, 2 milhões de adultos responsáveis por crianças e jovens de 4 a 17 anos.
– 2.002 entrevistas.

Grau de parentesco dos entrevistados com as crianças
84% Pai/mãe
11% Avós
2% Padrasto/madrasta
2% Tio e tia
1% Irmão/irmã

Escolaridade dos entrevistados
8% Sem escolaridade/ não frequentou a escola
23% Anos iniciais do Ensino Fundamental (1ª a 4ª série)
25% Anos finais do Ensino Fundamental (5º a 8ª série)
33% Ensino Médio
11% Educação Superior
24% Filhos de pais e mães sem nenhuma escolaridade, cerca de 1/3 são filhos de pais e mães com Ensino Fundamental incompleto e somente cerca de 1 em cada 10 é filho de pais e mães com Ensino Médio completo ou Superior.

Situação atual de trabalho
67% Trabalhando
16% Dona de casa
7% Aposentado
6% Desempregado
3% Outra situação

Renda familiar
24% até 1 salário mínimo
36% De 1 a 2 salários mínimos
22% de 2 a 3 salários mínimos
12% de 3 a 5 salários mínimos
6% mais de 5 salários mínimos
64% não são beneficiados pelo Bolsa Família

Responsável por buscar a criança na escola
Até os 10 anos: 50% ou mais de responsáveis levam os filhos para a escola
Dos 11 aos 17 anos: jovem vai sozinho ou de transporte público

Participação em reuniões escolares
53% participou de todas as reuniões

– Dentre as mulheres, 69% dizem ir a todas as reuniões. Já entre os homens, o percentual é de 34%.
– Na rede pública, 52% dos responsáveis declaram ir a todas as reuniões, e na rede privada, 56%.
– Dos responsáveis por crianças de 6 a 10 anos, 58% afirmam ir a todas as reuniões. Já os responsáveis por jovens de 15 a 17 anos, o percentual é de 46%.

26% participou de algumas reuniões que ocorreram
19% não participou de nenhuma das reuniões que ocorreram
2% não ocorreram reuniões

Frequência de participação em outros eventos escolares
42% sempre
– 28% Masculino
– 54% Feminino
39% às vezes
18% nunca

Fonte: Educar Para Crescer