Eloi S. Garcia

Não resta dúvida sobre o papel crucial que a ciência no desenvolvimento do novo modelo produtivo tem para o nosso país. O Estado e o setor privado têm um papel impulsor da ciência mediante um compromisso sério e de continuidade, que estão voltados para a nossa produção atual e futura. E é precisamente em tempo de crise que se deve permanecer ativo em relação à importância da ciência no desenvolvimento.

Necessitamos de uma ciência vibrante e vigorosa, sustentada por um financiamento suficiente, estável e dividido de forma equilibrada pelos grupos de pesquisa produtivos. Não podemos dizer aos brasileiros que a ciência é fundamental para sair da crise e colocar recursos financeiros insuficientes para desenvolvê-la. A ciência, junto com a tecnologia e inovação, não pode esperar por tempos melhores. Este momento é crucial para se dar um passo firme para investir nestas áreas. Temos que continuar plantando sementes para uma futura frutificação da ciência de que o país necessita.

Como entusiasta desta linha de pensamento não perco a confiança.  Peço às autoridades que não permitam que, por falta de recursos e empregos, os cientistas formados na pós-graduação, com tanto sacrifício, emigrem para outros países por falta de oportunidades. Temos pesquisadores formados nos melhores cursos, a maioria entre 30 e 45 anos. Vários possuem treinamento no exterior, e outros querem vir do exterior para reincorporar-se no sistema científico nacional.

Nos tempos atuais é necessidade absoluta não perdermos os investimentos que temos feito na educação para a produtividade e responsabilidade. Isto irá sensibilizar a população e transformar uma cultura que tão pouco desenvolveu a pesquisa durante séculos. Falamos da educação para o conhecimento e produção como valor de mudança nos mercados. A ciência é imprescindível para que o país possa ser competitivo. Devemos investir na pesquisa que produz conhecimentos que a priori não são utilizáveis, mas que são a base de futuros desenvolvimentos.

A pesquisa deve ter a liberdade de pensamento de que necessitam a curiosidade e o desejo de aprofundar o conhecimento. Sem ela, não é possível mudar os limites do saber previamente estabelecido. Essa é a essência e a particularidade da ciência. Sem a pesquisa não teriam sido desenvolvidos tantos produtos que revolucionaram a humanidade.  Não podemos interpretar de modo errado em como a pesquisa pode socorrer na mudança do modelo produtivo.

O foco maior da ciência nunca foi a criação de patentes que beneficiem o setor privado. É claro que este é um papel importante, mas não é o objetivo imediato. Para a inovação precisamos potenciar a pesquisa no setor privado. Inovar é criar pontes e destruir barreiras entre a ciência, inovação e setor produtivo.  Inovar é fornecer um apoio sustentável à ciência que permita continuar a formação de novos cientistas e buscar cada vez mais o conhecimento, base para a inovação no setor produtivo.

* Eloi S. Garcia, ex-presidente da Fundação Oswaldo Cruz, é membro da Academia Brasileira de Ciência e pesquisador do Instituto Oswaldo e do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade de Tecnologia.

Fonte: http://www.jb.com.br/sociedade-aberta/noticias/2012/02/24/ciencia-e-educacao-e-nao-e-comercio/

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>