Fila de carros em escola

Fila de carros em escola

Um aplicativo para celular pioneiro no Interior Paulista representa a mais nova arma em Bauru para tentar acabar com as problemáticas filas duplas nas saídas das escolas, alvos constantes de reclamações por parte dos motoristas. O chamado “Filho Sem Fila” possibilita que funcionários sejam alertados via tablet quando os pais estiverem a 300 metros da escola. Com isso, eles poderão agilizar a liberação dos alunos, desafogando o trânsito. O fluxo será organizado pela Emdurb por meio de um corredor especial demarcado por cones e quem desrespeitar será autuado.

Há vários anos, representantes da Emdurb e do Colégio São José – escola piloto do projeto – vêm discutindo propostas para evitar as filas duplas de carros que se formam nas ruas Gustavo Maciel, Antônio Alves e Bandeirantes nos horários de entrada e saída. Em 2011, foram criadas vagas rotativas, com placas sinalizando a proibição de estacionamento das 6h30 às 7h30, das 11h às 14h, e das 17h às 18h30, horários em que elas são destinadas exclusivamente ao embarque e desembarque.

Recentemente, a escola criou horários diferenciados de saída, aumentou de três para cinco o número de portões e ampliou a quantidade de funcionários. Mas as medidas não foram suficientes para solucionar o problema, de acordo com Gustavo Cardoso, gerente técnico de infrações da Emdurb. “A nossa frota vem crescendo todo mês, o colégio vem aderindo mais crianças e isso vem sufocando a parte do trânsito”, declara.

Após várias pesquisas, a alternativa encontrada pela instituição de ensino foi recorrer à tecnologia. Valter Xavier, diretor pedagógico do São José, conta que, em uma dessas pesquisas, conheceu o aplicativo “Filho Sem Fila”, já utilizado por grandes escolas de São Paulo.

Funcionamento

Xavier explica que o aplicativo poderá ser baixado gratuitamente pelos pais em smartphones do sistema iOS e Android. Por meio dele, a foto do aluno aparecerá na tela do tablet do funcionário da escola quando o pai do aluno estiver a cerca de 300 metros.

Simultaneamente, a imagem do estudante será reproduzida em telões espalhados pelo pátio em locais próximos aos cinco portões de saída e o nome dele será chamado pelo microfone. Com isso, funcionários poderão agilizar a saída e embarque do aluno, evitando a formação das filas duplas.

“Hoje, a gente tem o auxiliar que chama e procura no pátio a criança, mas, muitas vezes, essa criança está brincando e não está prestando atenção no áudio”, relata Andréa de Lima Gomes, responsável pelo setor de Tecnologia da Informação (TI) do São José.

Aplicativo Filho Sem Fila

Aplicativo Filho Sem Fila

Início

Segundo a responsável pelo TI, a previsão inicial é de que pelo menos 30% dos pais dos 1.780 alunos matriculados hoje na unidade, desde a educação infantil até o 9.º ano do Ensino Fundamental, utilizem o aplicativo. “Com 30% de adesão dos pais, você reduz em 50% as filas e de 15 para 5 minutos o tempo de espera. É um ganho muito significativo”, avalia. Ela explica que, assim que o aplicativo for disponibilizado nas lojas virtuais para download, o projeto terá início.

Mesmo sem contar ainda com o reforço da tecnologia, porém, a Emdurb informou que irá implantar, na próxima segunda-feira, o sistema de corredor especial. Inicialmente, a fila de cones será formada apenas na quadra 12 da Antônio Alves. “O São José já tem uma logística de o aluno ficar esperando antes da catraca. Nós já vamos colocar os cones tentando conscientizar os pais de como vai funcionar”, explica Gustavo Cardoso.

Segundo ele, quem desrespeitar a área destinada ao embarque e desembarque dos alunos será autuado pelos fiscais de trânsito. “A gente pede que os pais respeitem o comunicado do colégio e as orientações que a Emdurb vem dando porque, com isso, nós vamos agilizar o trânsito tanto para os pais quanto para motoristas que utilizam as vias de trânsito”, ressalta.

Custo

O Colégio São José conta que investiu aproximadamente R$ 15 mil na implantação do “Filho Sem Fila”, incluindo custos com a aquisição do direito de uso do aplicativo, compra dos equipamentos e capacitação dos funcionários. Além disso, a escola terá um gasto mensal não informado por aluno que aderir ao projeto.

De acordo com Valter Xavier, diretor pedagógico da instituição, os custos serão assumidos integralmente pela unidade e não serão repassados aos pais. “Nós temos essa preocupação com a qualidade de vida não só do nosso aluno, mas também de Bauru”, afirma.

Fonte: JCNET